terça-feira, 9 de março de 2010

Porque os homens gostam tanto das mulheres

1. O cheirinho delas é sempre gostoso, mesmo que seja só xampu.
2. O jeitinho que elas têm de sempre encontrar o lugarzinho certo em nosso ombro.
3. A facilidade com a qual cabem em nossos braços.
4. O jeito que têm de nos beijar e, de repente, fazer o mundo ficar perfeito.
5. Como são encantadoras quando comem.
6. Elas levam horas para se vestir, mas no final vale a pena.
7. Porque estão sempre quentinhas, mesmo que esteja fazendo trinta graus abaixo de zero lá fora.
8. Como sempre ficam bonitas, mesmo de jeans, camiseta e rabo-de-cavalo.
9. Aquele jeitinho sutil de pedir um elogio.
10. Como ficam lindas quando discutem.
11. O modo que têm de sempre encontrar a nossa mão.
12. O brilho nos olhos quando sorriem.
13. Ouvir a mensagem delas na secretária eletrônica logo depois de uma briga horrível.
14. O jeito que têm de dizer "Não vamos brigar mais, não.."
15. A ternura com que nos beijam quando lhes fazemos uma delicadeza.
16. O modo de nos beijarem quando dizemos "eu te amo".
17. Pensando bem, só o modo de nos beijarem ja basta.
18. O modo que têm de se atirar em nossos braços quando choram.
19. O jeito de pedir desculpas por terem chorado por alguma bobagem.
20. O fato de nos darem um tapa achando que vai doer.
21. O modo com que pedem perdão quando o tapa dói mesmo (embora jamais admitamos que doeu).
22. O jeitinho de dizerem "estou com saudades".
23. As saudades que sentimos delas.
24. A maneira que suas lágrimas têm de nos fazer querer mudar o mundo para que mais nada lhes cause dor.

"Mulheres são como a Lua: com suas fases, às vezes ficam escondidas, mas nunca perdem seu brilho encantador."

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

A FELICIDADE BATEU À MINHA PORTA

Era bem cedinho quando vi, homens, mulheres e crianças
caminhando com um sorriso inesquecível.
Os homens falavam de suas jornadas de trabalhos diminuídas,
As mulheres da fartura dos alimentos,da boa educação e da saúde de qualidade
e as crianças brincavam sem o temor da violência.
Tudo era maravilhoso.
Nas ruas o comentário não era outro senão o de que o esforço coletivo,as lutas e os confrontos
tinham valido a pena,pois agora comíamos de acordo com a nossa produção,porém o poder passara
para as mão do povo.Vivíamos a era do socialismo!
Boas escolas,boa saúde,bons remédios (e baratos),bons médicos,bons hospitais,boa alimentação,ou seja, dar ao povo o que é do povo.
As décadas de opressão,da luta da minoria contra a maioria,das corrupções,da violência,da fome e da miséria tinham ficado para trás.
Muitos companheiros não conseguiram sentir essa FELICIDADE ,pois pagaram com a vida a nossa conquista.Porém os que aqui chegaram honraram com veemência os heróis que nos ajudaram a construir
um mundo mais justo com igualdade e liberdade para todos,onde verdadeiramente a escravidão já não mais
existe e a solidariedade e o companheirismo existiam de fato,sem máscaras.
E NESSE DIA A FELICIDADE BATEU NA MINHA,NA SUA E NA NOSSA PORTA!!
VIVA A REVOLUÇÃO!!!VIVA O SOCIALISMO!!!

(NÉA NASCIMENTO)

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Água de chuva no Mar

O meu coração, hoje tem paz
Decepção, ficou pra trás
Eu encontrei um grande amor
Felicidade enfim chegou
Com o brilho do luar
Em sintonia com o mar
Nessa viagem de esplendor
Meu sonho se realizou
A gente se fala no olhar..... no olhar!
É água de chuva no mar..... no mar!
Caminha no mesmo lugar
Sem pressa sem medo de errar
É tão bonito, é tão bonito o nosso amor
A gente tem tanto querer, querer!
Faz até a terra tremer, tremer!
A luz que reluz meu viver
O sol do meu amanhecer é você


Wanderley Monteiro.


Música que hoje siguinifica algo especial... estive lembrando, o quanto tempo fazia que não falava no olhar com alguém, e como hoje isso voltou a acontecer. Muito bom viver isso novamente.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Silêncio no Bexiga

Silêncio
O sambista está dormindo
Ele foi, mas foi sorrindo
A notícia chegou quando anoiteceu
Escolas , eu peço silêncio de um minuto
O Bexiga está de luto
O Apito de Pato D'água emudeceu
Partiu
Não tem placa de bronze não fica na história
Artista de rua morre sem glória
Depois de tanta alegria que ele nos deu
E assim
Um fato se repete de novo
Sambista de rua , artista do povo
E é mais um que foi sem dizer adeus

Geraldo Filme

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Poesia

Quantos amores já tive
Quantas dores já senti
Quantas vezes tive que ir
Sentir a dor do abandono
Desde a infância
Apenas eu, abandonado
Ao que o dinheiro podia dar-me
As noites em minha cama
Fugindo dos fantasmas
Fugindo dos pesadelos
Sem um carinho sem um afago
Sem o abraço protetor
Quantas coisas tive
Quantas outras deixei de ter
Procurei em tudo
Encontrei no nada
No distante
Nas sombras da minha solidão
Meu refugio, meu lugar
Minha barreira
Mas, encontrei no carinho
Na falta da riqueza
O calor que me faltou durante a infância
Mesmo me escondendo nas minhas sombras
Nos meus desamores, nas minhas dores
A saída para a solidão
E mesmo que ela insista em retornar
Não estarei mais só.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Seara Vermelha


Leitura imperdível, um dos melhores romances que já li!O livro retrata a saga de uma família de nordestinos em busca do eldorado chamado São Paulo, as promessas de vida digna, com terra e trabalho para todos faz com que após de serem expulsos de uma fazenda onde trabalham semi escravizados tendo que plantar, colher e dar o seu trabalho de graça ao senhor da casa grande e ainda assim morrer de fome, na miséria, perder as esperanças e se conformar diante de uma vida indigna...
Não continuarei, porque não quero retirar o prazer e a comoção dessa belissima obra. Espero que aqueles que apreciam uma boa leitura, o leiam.

Só para terminar uma das frases que mais gostei do livro.

“Os brotos de dor e de revolta cresciam naquela Seara vermelha de sangue e fome, e era chegado o tempo da colheita.”

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Realidade

A princípio, bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos.
Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis.
Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema:
queremos a piscina olímpica e uma temporada num SPA cinco estrelas.
E quanto ao amor? Ah, o amor.. Não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando. Isso é pensar
pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo. Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar a luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito. É o que dá ver tanta televisão.
Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista.
Ter um parceiro constante pode ou não ser sinônimo de felicidade. Você pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com um parceiro, feliz sem nenhum. Não existe amor minúsculo, principalmente quando se trata de amor-próprio.
Dinheiro é uma benção.
Quem tem, precisa aproveitá-lo, gastá-lo, usufruí-lo.
Não perder tempo juntando, juntando, juntando. Apenas o suficiente para se sentir seguro, mas não aprisionado.
E se a gente tem pouco, é com este pouco que vai tentar segurar a onda, buscando coisas que saiam de graça, como um pouco de humor, um pouco de fé e um pouco de criatividade.
Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável.
Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno.
Olhe para o relógio: hora de acordar.
É importante pensar-se ao extremo, buscar lá dentro o que nos mobiliza, instiga e conduz, mas sem exigir-se desumanamente. A vida não é um jogo onde só quem testa seus limites é que leva o prêmio. Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade.
Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as regras,
demita-se.
Invente seu próprio jogo.
Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça de que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade. Ela transmite paz e não sentimentos fortes, que nos atormenta e provoca inquietude no nosso coração.
Isso pode ser alegria, paixão, entusiasmo, mas não felicidade...


(Mário Quintana)

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Carlos Mariguella

VENCESTE CARLOS



Se a tarde caiu e não voltaste

Sem consciência do tempo...

Nem percebeste que a morte,

Não significara uma vitória.

Gélido, calado...

Pensavam tornarem-no inofensivo.

Eles são assim!

Só prestam para a repressão

Se continuarem vivos:

Mortos, ficam só, viram pó.

Ouvistes vós uma rememoração sequer;

Uma sequer, dos 40 anos de Fleury?

Nós, voltamos a Alameda

E sentimos o pulsar dos corações

Tangendo lágrimas sinceras

São sentimentos reunidos de várias gerações.

E lá distante, as crianças entram para a escola

E a professora, lembra o dia 4 com poesia!

Fala de Carlos como se fosse o pai,

O avô, um sábio, um santo, um guia...

Em outras partes: exaltados debates,

Trazem de volta o ser conquistador

O comandante da Ação usa a palavra

Na voz de um jovem admirador;

Gritos de viva irrompem das janelas

Venceste, Carlos, a causa do amor.

Em mil lugares teu nome aparece

Em preces, aulas, placas e poesias,

Na ponta longa da amável tristeza

Amarram-se os laços da alegria.

Num tempo estranho

Contamos a tua glória

Neste presente de pobre ideologia

Se em nossas veias teu ânimo corre

Em nossas mentes, vives na utopia.





Bahia, 3 de novembro de 2009

Ademar Bogo

Amado

Como pode ser gostar de alguém
E esse tal alguém não ser seu
Fico desejando nós gastando o mar
Pôr-do-sol, postal, mais ninguém

Peço tanto a Deus
Para lhe esquecer
Mas só de pedir me lembro
Minha linda flor
Meu jasmim será
Meus melhores beijos serão seus

Sinto que você é ligado a mim
Sempre que estou indo, volto atrás
Estou entregue a ponto de estar sempre só
Esperando um sim ou nunca mais

É tanta graça lá fora passa
O tempo sem você
Mas pode sim
Ser sim amado e tudo acontecer

Sinto absoluto o dom de existir,
Não há solidão, nem pena
Nessa doação, milagres do amor
Sinto uma extensão divina

É tanta graça lá fora passa
O tempo sem você
Mas pode sim
Ser sim amado e tudo acontecer
Quero dançar com você
Dançar com você
Quero dançar com você
Dançar com você

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Esperança de ser livre

Negro escravo,
Foi pego fugindo da senzala
Correndo nos canaviais
Capturado pelo feitor
Que no tronco o amarrou
E o guerreiro valente gritava.
Derrepente uma voz recuava
Mataram o Rei Zumbi
Assim a notícia chego
E o guerreio
Que nunca chorava
Nesse dia ele choro.
Iê...
Ô valente guerreiro e forte
Não acreditava na sorte
Não tinha medo da morte quando o fato aconteceu
Com a notícia que veio de longe
Dizendo que o Rei Zumbi morreu.
E o guerreiro amarrado no tronco
A Deus pedia proteção
Olhando para cima lamentou
Ainda chorando falo
Ô mataram o Rei Zumbi a esperança de ser livre acabou.

Ô valente guerreio choro
Ê choro choro.
E o valente guerreiro choro (3x)

Ô valente guerreiro e forte
Não acreditava na sorte
Não tinha medo da morte quando o fato aconteceu
Com a notícia que veio de longe
Dizendo que o Rei Zumbi morreu.
E o guerreiro amarrado no tronco
A Deus pedia proteção
Olhando para cima lamentou
Ainda chorando falo
Ô mataram o Rei Zumbi a esperança de ser livre acabou.

domingo, 8 de novembro de 2009




Belissimo filme. Recomendo a todos que ainda não assistiram a assistir e tomar para sí está experiência.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Vídeo da Resistência Hondurenha.

A luta do povo em todos os seus aspectos é representada pelo enfrentamento, as vezes aberto, as vezes velado, e uma das principais armas é a cultura, a cultura que emana do povo. Essa música e este vídeo, representam o poder de criação do povo, para enfrentar as duras batalhas em defesa da democracia e da construção do Socialismo. Aqueles que tiverem um tempo, por favor vejam está bela canção e aproveitem para ver a resistência dos nossos irmãos hondurenhos.

http://www.youtube.com/watch?v=mGgF1nkMBp4&feature=related

SI TÚ ME OLVIDAS

"QUIERO que sepas
una cosa.

Tú sabes cómo es esto:
si miro
la luna de cristal, la rama roja
del lento otoño en mi ventana,
si toco
junto al fuego
la impalpable ceniza
o el arrugado cuerpo de la leña,
todo me lleva a ti,
como si todo lo que existe,
aromas, luz, metales,
fueran pequeños barcos que navegan
hacia las islas tuyas que me aguardan.

Ahora bien,
si poco a poco dejas de quererme
dejaré de quererte poco a poco.

Si de pronto
me olvidas
no me busques,
que ya te habré olvidado.

Si consideras largo y loco
el viento de banderas
que pasa por mi vida
y te decides
a dejarme a la orilla
del corazón en que tengo raíces,
piensa
que en ese día,
a esa hora
levantaré los brazos
y saldrán mis raíces
a buscar otra tierra.

Pero
si cada día,
cada hora
sientes que a mí estás destinada
con dulzura implacable.
Si cada día sube
una flor a tus labios a buscarme,
ay amor mío, ay mía,
en mí todo ese fuego se repite,
en mí nada se apaga ni se olvida,
mi amor se nutre de tu amor, amada,
y mientras vivas estará en tus brazos
sin salir de los míos."

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Boa sorte/ Good Luck

É só isso
Não tem mais jeito
Acabou, boa sorte

Não tenho o que dizer
São só palavras
E o que eu sinto
Não mudará

Tudo o que quer me dar
É demais
É pesado
Não há paz

Tudo o que quer de mim
Irreais
Expectativas
Desleais

That's it
There's no way
It's over, good luck

I've nothing left to say
It's only words
And what l feel
Won’t change

Tudo o que quer me dar / Everything you want to give me
É demais / It's too much
É pesado / It's heavy
Não há paz / There is no peace

Tudo o que quer de mim / All you want from me
Irreais / Isn't real
Expectativas / Expectations
Desleais

Mesmo se segure
Quero que se cure
Dessa pessoa
Que o aconselha

Há um desencontro
Veja por esse ponto
Há tantas pessoas especiais

Now even if you hold yourself
I want you to get cured
From this person
Who advises you

There is a disconnection
See through this point of view
There are so many special
People in the world
So many special
People in the world
In the world
All you want
All you want

Tudo o que quer me dar / Everything you want to give me
É demais / It's too much
É pesado / It's heavy
Não há paz / There's no peace

Tudo o que quer de mim / All you want from me
Irreais / Isn't real
Expectativas / That expectations
Desleais

Now we're falling
Falling, falling
Falling into the night
Into the night
Falling, falling, falling
Falling into the night

Now we're falling
Falling, falling
Falling into the night
Into the night
Falling, falling, falling
Falling into the night

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Deixa Acontecer Naturalmente

Deixa acontecer naturalmente
Eu não quero ver você chorar
Deixa que o amor encontre a gente
Nosso caso vai eternizar...(2x)

Você já disse que me quer
Prá toda a vida, eternidade
Quando está distante de mim
Fica louca de saudade...

Quem a razão do seu viver
Sou eu!
Está tudo bem, eu acredito
Eu não tô duvidando disso...

Só que eu tenho muito medo
De me apaixonar
Esse filme já passou
Na minha vida
E você tá me ajudando a superar
Eu não quero ser um mal
Na sua vida...

Deixa acontecer naturalmente
Eu não quero ver você chorar
Deixa que o amor encontre a gente
Nosso caso vai eternizar...(2x)

Você já disse que me quer
Prá toda a vida, eternidade
Quando está distante de mim
Fica louca de saudade...

Quem a razão do seu viver
Sou eu!
Está tudo bem, eu acredito
Eu não tô duvidando disso...

Só que eu tenho muito medo
De me apaixonar
Esse filme já passou
Na minha vida
E você tá me ajudando a superar
Eu não quero ser um mal
Na sua vida...

Deixa acontecer naturalmente
Eu não quero ver você chorar
Deixa que o amor encontre a gente
Nosso caso vai eternizar...(3x)

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Conselho

Deixe de lado esse baixo astral
Erga a cabeça enfrente o mal,
Que agindo assim será vital para o seu coração,
É que em cada experiência se aprende uma lição,
Eu já sofri por amar assim me dediquei mais foi tudo em vão,
Pra que se lamentar se em sua vida pode encontrar,
Quem te ame com toda força e ardor,
Assim sucumbirá a dor,

(refrão)

Tem que lutar
Não se abater
Só se entregar
A quem te merecer
Não estou dando e nem vendendo
Como o ditado diz
O meu conselho é pra te ver feliz.


(Almir Guineto)

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Exército Israelense rouba orgãos do povo palestino.

Fuente: Alison Weir, Tlaxcala (Traducido por Laura Boué, Carlos Sanchís y Ana Atienza- Edición de Ana Atienza)


Na semana passada, o principal jornal da Suécia publicou um artigo com material surpreendente que incluía testemunhos e provas circunstanciais, segundo os quais os israelenses podem estar extraindo órgãos internos de prisioneiros palestinos sem o seu consentimento durante muitos anos.
No entanto, pior ainda é o fato de que parte da informação que o artigo contém sugere que, em certas ocasiões, pode-se ter capturado palestinos com este macabro propósito.

No artigo Roubam nossos filhos para tirar os seus órgãos, o veterano jornalista Donald Boström escreve que os palestinos “reúnem fortes suspeitas contra Israel por capturar jovens e utilizá-los como reserva de órgãos do país, uma acusação muito grave, com suficientes interrogantes para instar o Tribunal Penal Internacional (TPI) a abrir uma investigação sobre possíveis crimes de guerra”1.
Isto desencadeou uma forte reação imediata por parte de uma avalanche de autoridades e defensores de Israel, qualificando tanto Boström como os editores do jornal de “anti-semitas”. O ministro israelense de assuntos exteriores se mostrou “horrorizado” e tachou de “demonização mediante calúnia de sangue”. Uma autoridade israelense, inclusive, denominou de “pornografia do ódio”.
Para a revista “Commentary”, esta história não era “mais que a ponta do iceberg a respeito do ódio contra Israel financiado e fomentado pela Europa”. Muitos compararam o artigo com a “calúnia de sangue” medieval (histórias amplamente rebatidas sobre supostos assassinatos cometidos por judeus para usar o sangue em rituais religiosos). Alguns escritores pró-palestinos, inclusive, se uniram às críticas mostrando seu ceticismo.

No entanto, o caso é que durante muitos anos foram apresentadas prova substanciais de roubo e tráfico público e privado de órgãos, assim como indícios de algo pior. Neste contexto, as acusações suecas adquirem muito maior credibilidade do previsto, e sugerem que uma investigação poderia revelar informação significativa.

Vejamos alguns exemplos de notícias anteriores sobre o tema.
O primeiro transplante de coração de Israel
No primeiro transplante de coração feito na história de Israel utilizou-se o coração de um paciente vivo sem seu consentimento e sem consultar sua família.
Em dezembro de 1968, um homem chamado Avraham Sadegat (parece que o New York Times o mencionou como A. Savgat)2 morreu dois dias depois de sofrer uma apoplexia, apesar de terem dito a sua família que “ia bem”.
Apesar de sua negativa inicial, o hospital israelense onde estava sendo tratado finalmente entregou o corpo do falecido a sua família. Então descobriram que tinha o tronco vendado; algo estranho, pensaram, para alguém que havia sofrido uma apoplexia.
Quando retiraram a bandagem, descobriram que haviam enchido a caixa torácica com vendas e que faltava o coração.
Foi por aquela época que se realizou o célebre primeiro transplante israelense de coração. Após seu espanto inicial, a esposa e o irmão do falecido começaram a associar os dois fatos e a exigir respostas.
A principio, o hospital negou que o coração de Sadegat tivesse sido utilizado no famoso transplante, porém a família levantou um rebuliço midiático e, inclusive, recorreu a três ministros do gabinete. Algumas semanas depois, e depois da família haver assinado um documento no qual prometia não ir aos tribunais, o hospital admitiu que havia utilizado o coração de Sadegat.
O hospital explicou que havia cumprido com a legislação israelense, segundo a qual se podia extrair órgãos sem o consentimento da família3. (A Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Internacional inclui a extração de órgãos em sua definição de exploração humana).
Não foram investigados os indícios de que a remoção do coração de Sadegat foi a causa real de sua morte.
Declarações de um diretor de medicina legista sobre a ausência de órgãos

Um artigo de Mary Barrett publicado em 1990 no Washington Report on Middle East Affairs intitulado “Autopsies and executions” (Autópsias e execuções) fala sobre assassinatos absurdos cometidos contra jovens palestinos. O mencionado relatório inclui uma entrevista com o Dr. Hatem Abu Ghazaleh, que foi a máxima autoridade da saúde da Cisjordânia sob a administração jordana e diretor de medicina legista e autópsias.
Barrett lhe perguntou sobre “a ampla preocupação pelo roubo de órgãos que tem atormentado Gaza e Cisjordânia desde que começou a Intifada em dezembro de 1987” .
Eis aqui sua resposta:
“Existem indícios de que durante o primeiro ano ou ano e meio, por uma razão ou outra, foram extraídos órgãos dos cadáveres, especialmente olhos e rins. Houve relatórios demais de pessoas fidedignas para pensar que não estava ocorrendo nada. Se disparam em alguém na cabeça e o trazem de volta para casa em uma bolsa de plástico sem órgãos internos, o que as pessoas pensarão?”4.

Morte de um escocês em estranhas circunstâncias

Em 1998, um escocês chamado Alisdair Sinclair morreu em circunstâncias duvidosas enquanto estava sob custódia israelense no aeroporto Ben Gurion.
A sua família foi informada sobre o falecimento e, de acordo com uma reportagem do J Weekly, “(…) lhes disseram que tinham três semanas para reunir uns 4.900 dólares para repatriar o corpo de Sinclair por avião. Segundo ele [o irmão de Alisdair], parece que os israelenses preferiam outra opção: enterrar Sinclair em um cemitério cristão em Israel, por uns 1.300 dólares”.
A família reuniu a duras penas o dinheiro, repatriou o cadáver e realizou uma autópsia na Universidade de Glasgow. O resultado apontou que faltavam o coração de Alisdair e um pequeno osso da garganta. Como conseqüência, a embaixada britânica apresentou uma queixa contra Israel.
A reportagem do J afirma:
“Posteriormente repatriou-se às Ilhas Britânicas sem custo algum um coração que supostamente era de Sinclair. James queria que o Instituto Forense [israelense] pagasse uma análise de DNA para confirmar que esse coração era o de seu irmão, mas o diretor do Instituto, o professor Jehuda Hiss, recusou a petição por seu custo proibitivo, estimado segundo algumas fontes em 1.500 dólares”.
Apesar de a Embaixada Britânica ter pedido reiteradamente os relatórios da polícia e do patologista israelense, as autoridades desse país não entregaram nenhum dos dois”567.

Autoridades governamentais israelenses colocam perguntas

O jornalista palestino Khalid Amayreh narra em um artigo publicado em 20 de agosto de 2009:
“Em janeiro de 2002, um ministro israelense admitiu tacitamente que podiam ter utilizado órgãos de vítimas palestinas para transplantá-los a pacientes judeus sem que as famílias das vítimas soubessem”.
“Em resposta à pergunta de um membro árabe do Knesset [parlamento israelense], o ministro Nessim Dahan afirmou que não podia negar nem confirmar que o exército havia extirpado órgãos de crianças e jovens palestinos para transplantes ou para pesquisas científicas”.
“Não poderia afirmar com segurança que não ocorreu algo desse tipo”.

Segundo Amayreh, o membro do Knesset que formulou a pergunta disse que “tinha recebido ‘provas críveis' que demonstravam que médicos israelenses do instituto forense de Abu Kabir tinham extraído órgãos vitais como o coração, os rins e o fígado de cadáveres de crianças e jovens palestinos mortos pelas mãos do exército israelense em Gaza e na Cisjordânia”8.

A máxima autoridade israelense em patologia destituída por roubo de partes de cadáveres

Durante muitos anos denunciou-se que a máxima autoridade israelense em patologia estava roubando partes de cadáveres. Em 2001, o serviço nacional israelense de notícias informou o seguinte:
“(...) Os pais do soldado Ze’ev Buzgallo, morto em acidente durante umas manobras de instrução militar nas Colinas do Golã, levantaram uma petição ante o Tribunal Superior de Justiça para solicitar a suspensão imediata do Dr. Yehuda Hiss e a interposição de punições contra ele. Hiss é diretor do Instituto Forense Abu Kabir (...). Segundo os pais, o corpo de seu filho foi utilizado para experimentos médicos sem o seu consentimento, atividades autorizadas por Hiss.”9.
Em 2002, este mesmo serviço informativo divulgou o seguinte:
“A revelação da existência de partes de cadáveres armazenadas ilegalmente no Instituto Forense de Abu Kabir moveu o parlamentar Anat Maor, presidente do Comitê de Ciências do Knesset, a exigir a suspensão imediata de seu diretor, o professor Yehuda Hiss”.
A morte de Alisdair Sinclair foi uma primeira advertência às autoridades sobre os atos criminosos de Hiss em 1998, ainda que nada tenha sido feito a respeito durante anos. The Forward assinalou:
“Em 2001, uma investigação do Ministério da Saúde israelense detectou que Hiss havia participado, durante anos, da extração, durante as autópsias, de partes de cadáveres, como pernas, ovários e testículos, sem a permissão dos familiares para vendê-las a faculdades de medicina com fins de pesquisa e formação. Foi nomeado patólogo chefe em 1988. Hiss jamais foi acusado por nenhum crime, mas em 2004 se viu obrigado a demitir-se da direção do Depósito de cadáveres do Estado, após receber queixas durante anos”10.

Colhendo rins entre as comunidades pobres

Segundo a revista Economist, entre 2001 e 2003 surgiu na África do Sul uma rede de tráfico de rins. “Os doadores eram recrutados no Brasil, Israel e Romênia, com ofertas de 5.000 a 20.000 dólares para visitar Durban e entregar um rim. Cada um dos 109 receptores, principalmente israelenses, pagou até 120.000 dólares por umas “férias com transplante”; fingiam ser parentes dos doadores e que isso não era remunerado”11.
Em 2004, uma comissão legislativa revelou o seguinte no Brasil: “Ao menos 30 brasileiros venderam rins a uma rede de tráfico de órgãos humanos para transplantes realizados na África do Sul, cuja principal fonte de financiamento provinha de Israel”.
Segundo um relatório do IPS: “Os receptores eram, sobretudo, israelenses, que recebiam reembolsos das companhias de seguros de saúde entre 70.000 e 80.000 dólares por intervenções cirúrgicas vitais realizadas no estrangeiro”.
O IPS indica:
Os brasileiros eram recrutados nos bairros mais pobres e recebiam 10.000 dólares por rim, “mas ao aumentar a ‘oferta’, os preços baixaram até os 3.000 dólares”. A rede de tráfico foi organizada por um ex-policial israelense, o qual se defendia dizendo que “não estava cometendo nenhum delito, dado que o governo de seu país considerava legal a operação”.
A embaixada israelense emitiu uma declaração na qual negava que seu governo estivesse implicado no comércio ilegal de órgãos humanos, mas reconhecia que seus cidadãos, em casos de emergência, podiam submeter-se a transplantes de órgãos em outros países “de maneira legal, cumprindo as normas internacionais”, e com o respaldo econômico de seu seguro médico.
No entanto, segundo o IPS, o presidente da comissão qualificou a postura israelense “como no mínimo ‘contrária à ética’, e acrescentou que a rede de tráfico só podia desenvolver suas operações em larga escala se existisse uma importante fonte de financiamento, como o sistema de saúde israelense”. Além disso, afirmou que os recursos que o sistema de saúde israelense proporcionava “eram um fator determinante” que permitia o funcionamento da rede12.

O diretor de um hospital de Tel Aviv fomenta o tráfico de órgãos

Continua o informe do IPS:
“Nancy Scheper-Hughes, diretora do projeto Organs Watch da Universidade da Califórnia em Berkeley, testemunhou ante a comissão legislativa de Pernambuco para declarar que a rede internacional de tráfico de órgãos humanos havia começado há uns doze anos atrás, nas instâncias de Zacki Shapira, ex-diretor de um hospital em Tel Aviv.
“Shapira realizou mais de 300 transplantes de rim, em algumas ocasiões acompanhando seus pacientes em outros países, como a Turquia. Os receptores são muito endinheirados ou possuem uma boa cobertura de seguro de saúde, e os “doadores” são pessoas muito pobres do Leste Europeu, Filipinas ou outros países em desenvolvimento, disse Scheper-Hughes, especialista em antropologia médica”.


Em 2007, o jornal israelense Ha’aretz publicou que dois homens confessaram ter persuadido “árabes da Galiléia e do centro de Israel que tivessem problemas de desenvolvimento ou doenças mentais para que aceitassem doar um rim em troca de dinheiro”. Posteriormente, negavam pagá-los.
O jornal revelava que ambos os homens formavam parte de uma rede criminosa na qual estava envolvido um cirurgião israelense. Segundo o auto de processamento, o cirurgião vendeu os rins obtidos por uma cifra entre 125.000 e 135.000 dólares13.
Anteriormente, nesse mesmo ano, outro jornal israelense, o Jerusalem Post, informava a detenção de dez membros de uma rede de traficantes de órgãos israelenses dirigida a ucranianos14.

Em outra notícia que veio a tona em 2007, o Jerusalem Post ecoava o seguinte: “o professor Zacki Shapira, um dos principais cirurgiões de transplantes do país, foi detido quinta-feira, na Turquia, como suspeito de participar de uma rede de tráfico de órgãos”. Segundo o jornal, os transplantes eram acertados na Turquia e realizados em hospitais privados de Istambul.


O tráfico de órgãos israelense chegou aos EUA?

Em julho deste ano, inclusive os meios de comunicação norte-americanos informaram sobre a captura de Levy Izhak Rosenbaum, do Brooklyn, detido recentemente por agentes federais em uma grande operação policial contra a corrupção em Nova Jersey na qual estavam envolvidos prefeitos, funcionários governamentais e destacados rabinos. Boström abre seu artigo com este incidente15.
Segundo a denúncia federal, Rosenbaum, que tem estreitos laços com Israel, declarou haver estado implicado na venda ilegal de rins durante 10 anos. Um advogado norte-americano explicou: "Seu negócio era persuadir pessoas vulneráveis para que cedessem um rim por 10.000 dólares, que depois ele negociava e vendia por 160.000"16.

Este é, supostamente, o primeiro caso de tráfico internacional de órgãos nos EUA.

A antropóloga da Universidade da Califórnia e especialista em comércio de órgãos, Nancy Scheper-Hughes, que informou ao FBI sobre Rosenbaum há 7 anos, disse que havia escutado informações segundo as quais ele tinha ameaçado doadores na base da pistola para assegurar-se que cumpririam o acordado em “doar” seus órgãos17.


Os problemas de Israel com os doadores de órgãos

Israel possui um número extraordinariamente baixo de doadores voluntários. Segundo a agência de notícias israelense Ynet, “a porcentagem de doações de órgãos entre os judeus é a mais baixa de todos os grupos étnicos (...) Nos países ocidentais, cerca de 30% da população tem carteira de doação de órgãos. No entanto, em Israel, só 4% da população tem este tipo de carteiras18.

“Segundo as estatísticas do site do Ministério da Saúde, em 2001 morreram 88 israelenses esperando um transplante por falta de doadores de órgãos. Nesse mesmo ano, 180 pessoas se encontravam em coma irreversível e seus órgãos podiam ter sido utilizados para transplantes, mas somente os familiares de 80 deles aceitaram doar seus órgãos”.
Ynet assinala que a baixa cifra de doadores se deve a “motivos religiosos”. Em 2006, houve uma grande polêmica quando um hospital israelense conhecido pela sua observância da lei judia levou a cabo uma operação de transplante com um doador israelense. Na semana anterior “havia ocorrido um incidente similar, mas como o paciente não era judeu, passou despercebido”19 20.
O artigo sueco informa que Israel recebeu reiteradas críticas pelo seu modo antiético de abordar a questão dos órgãos e dos transplantes. A França estava entre os países que deixaram de colaborar neste âmbito com Israel na década de 1990. O Jerusalem Post escreveu: “Espera-se que o resto dos países europeus siga em breve o exemplo da França”.

“A metade dos rins transplantados para israelenses desde princípios desta década foram trazidos ilegalmente da Turquia, Europa Oriental e América Latina. As autoridades de saúde israelenses têm pleno conhecimento deste negócio, mas não fazem nada para detê-lo. Em uma conferência celebrada em 2003 ficou demonstrado que Israel era o único país ocidental que contava com uma classe médica que não condenava o comércio ilegal de órgãos. Tampouco toma medidas legais contra os médicos que participam deste negócio ilícito; pelo contrário, na maioria dos transplantes ilegais estão implicados responsáveis médicos de grandes hospitais de Israel, segundo Dagens Nyheter (5 de dezembro de 2003)”.


Para cobrir esta necessidade, o ex Primeiro-Ministro Ehud Olmert, então ministro da saúde de Israel, organizou uma grande campanha de doações no verão de 1992, mas ainda que o número de doadores houvesse subido vertiginosamente, as necessidades eram ainda muito superiores à oferta.

Aumentam os desaparecimentos de palestinos

Boström, que já havia tratado deste tema em 2001 no seu livro Inshallah21, afirma no seu recente artigo:

“Conforme ia se desenvolvendo a campanha, começaram a desaparecer jovens palestinos em povos da Cisjordânia e de Gaza. Soldados israelenses os devolviam mortos, depois de cinco dias, com o corpo aberto”.

“Falar dos cadáveres aterrorizava a população dos territórios ocupados. Havia rumores de um drástico aumento de jovens que desapareciam, com os conseguintes funerais noturnos de corpos autopsiados”.


“Eu estava nessa zona por aquela época, trabalhando em um livro. Em várias ocasiões o pessoal da ONU se dirigiu a mim preocupado pelos feitos. As pessoas que se puseram em contato comigo me disseram que sem dúvida nenhuma existia roubo de órgãos, mas que não era permitido fazer nada a respeito. Depois viajei àquela zona por encargo de uma rede de emissoras e entrevistei um grande número de famílias palestinas da Cisjordânia e de Gaza, reunindo-me com pais que contavam como se tinha despojado seus filhos de seus órgãos antes de ser assassinados”.

Descreve concretamente o caso de Bilal Ahmed Ghanem, de 19 anos de idade, que foi baleado pelas forças israelenses que invadiram seu povo.
“O primeiro disparo acertou o seu peito. Segundo os aldeões que presenciaram o incidente, a seguir dispararam uma bala em cada perna. Depois, dois soldados desceram correndo da oficina de carpintaria e dispararam uma vez no estômago de Bilal. Finalmente, foi agarrado pelos pés e arrastado para cima pelos vinte degraus de pedra da carpintaria (…). Os soldados israelenses carregaram Bilal, agonizante, em um jipe e o levaram aos arredores do povo, onde esperava um helicóptero militar. O rapaz foi levado a um lugar desconhecido para sua família”.

Após cinco dias, o trouxeram de volta, “morto e envolvido de cima a baixo em tela verde de hospital”. Boström informa que ao descer o cadáver à tumba, seu peito ficou descoberto e os presentes puderam ver que estava suturado desde o estômago até a cabeça. Segundo Boström, não era a primeira vez que aquela gente via algo semelhante.

“As famílias da Cisjordânia e de Gaza acreditavam saber exatamente o que tinha acontecido: “Usam nossos filhos como doadores forçados de órgãos”, me disseram parentes de Khaled em Nablús, assim como a mãe de Raspem em Jenin, e os tios de Machmod e Nafes em Gaza; todos tinham desaparecido durante vários dias para ser devolvidos durante a noite, mortos e autopsiados”.


Por que autópsias?
Boström reflete as dúvidas que as famílias formulam:

“Por que ficam com os cadáveres por até cinco dias e só depois nos deixam enterrá-los? O que ocorre com os corpos durante esse período? Por que levam a cabo as autópsias sem o nosso consentimento, quando a causa da morte é óbvia? Por que devolvem os corpos durante a noite? Por que o fazem com escolta militar? Por que cercam a zona durante o funeral? Por que cortam a eletricidade?”
A resposta de Israel foi que a autópsia é praticada a todos os palestinos mortos como procedimento de rotina. No entanto, Boström aponta que dos 133 palestinos que foram assassinados naquele ano, apenas 69 receberam autópsia.

Continua: “Sabemos que Israel tem uma grande necessidade de órgãos, que existe um amplo comércio ilegal de órgãos que funciona há muitos anos, que as autoridades são conscientes disso e que estão envolvidos médicos que ocupam postos diretivos nos grandes hospitais, assim como funcionários de diversos níveis. Também sabemos que desapareceram jovens palestinos e que os devolvem após cinco dias durante a noite, com grande caráter secreto e costurados após sofrer um corte do abdômen até o queixo”.
“Chegou o momento de esclarecer este macabro negócio, de projetar luz sobre o ocorrido agora e no passado nos territórios ocupados desde que começou a Intifada”22.

A nova “calúnia de sangue”?

Ao revisar todas as reações que suscitou a reportagem de Boström, chama à atenção a quantidade de acusações que incidem que este artigo é uma nova versão da antiga “calúnia de sangue” anti-semita. Dadas as circunstâncias, convém examinar um livro publicado em 2007 por um destacado especialista israelense em história medieval judia e no que lhe ocorreu.


O autor é o professor de Bar-Ilan (e rabino) Ariel Toaff, filho do antigo rabino chefe de Roma, líder religioso tão famoso que um jornalista israelense escreveu que o pai de Toaff “está para a judiaria italiana o que a Torre Eiffel está para Paris”. O próprio Ariel Toaff é considerado como “um dos maiores especialistas no seu campo”23 24.

Em fevereiro de 2007, os meios de comunicação israelenses e italianos polemizaram (ainda que a maioria dos norte-americanos tenha omitido) com a notícia de que o professor Toaff tinha escrito um livro titulado “Pasque di sangue” (“Páscoas de sangue”)25 que continha provas que “havia um fundamento objetivo em algumas das calúnias de sangue medievais contra os judeus”.
A partir dos dados compilados ao longo de 35 anos de pesquisa, Toaff conclui que houve pelo menos alguns incidentes reais, possivelmente bastantes.

Toaff afirmou em uma entrevista para um jornal da Itália (país onde se publicou o livro):

“Minha investigação mostra que, na Idade Média, um grupo de fundamentalistas judeus não respeitou a proibição bíblica e usaram sangue para realizar curas. Foi somente um grupo que pertencia às comunidades que sofreram as maiores perseguições durante as Cruzadas. Desse trauma surgiu uma ânsia de vingança que, em alguns casos, levou a certas respostas, entre elas os assassinatos rituais de crianças cristãs”26.

O professor Toaff foi atacado imediatamente de todos os ângulos, e inclusive recebeu pressões orquestradas pelo presidente da Liga Anti-Difamação, Abe Foxman, mas Toaff, respaldado por seus 35 anos de pesquisa, declarou:
“Não vou renunciar a minha devoção pela verdade e pela liberdade acadêmica, mesmo que o mundo me crucifique… Não se deve temer dizer a verdade”.


No entanto, pouco depois, submetido à uma implacável pressão pública e privada, teve que submeter-se, retirar seu livro e prometer que entregaria todos os benefícios obtidos (o livro tinha voado das prateleiras das livrarias italianas) à Liga Anti-Difamação de Foxman. Um ano depois publicou uma edição revisada”27.


A experiência de Donald Boström parece ser uma repetição do que o professor Toaff padeceu: calúnias, insultos e difamações. Boström recebeu, além disso, ameaças de morte, experiência pela qual talvez tenha passado também o professor Toaff.

Se Israel fosse inocente das acusações de roubo de órgãos, ou se sua culpabilidade fosse consideravelmente menor do que Boström e outros sugerem, deveria agradecer a abertura de pesquisas imparciais que levantassem dúvidas sobre sua culpabilidade. No entanto, o governo e seus defensores estão tratando de suprimir todo debate e esmagam quem consideram uma ameaça por suas perguntas e conclusões. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, mais que responder às chamadas para que se abra uma investigação, exige que o governo da Suécia abandone o seu compromisso com a liberdade de imprensa e condene o artigo. O escritório de imprensa israelense, aparentemente como represália e para impedir novas investigações, está rejeitando dar credenciais de imprensa aos repórteres do jornal em questão.
Da mesma forma que no caso do violento ataque a Jenin, do ataque ao USS Liberty, do massacre de Gaza, do esmagamento de Rachel Corrie, da tortura de cidadãos norte-americanos e de uma multidão de outros exemplos, Israel está empregando seus consideráveis recursos no mundo inteiro para interferir no processo de investigação.
Custa crer que não tenha nada a ocultar.

Canção ao Partido Comunista

Posso morrer como nasci, sabendo ser
Puro, simples e otimista
Pé no chão como uma árvore
Nas fileiras do Partido Comunista
Nas fileiras do Partido Comunista

Na tarde abrir a janela,
E pintar uma paisagem
Porque é belo pintar para a vida
Pintar para o Partido Comunista
Pintar para o Partido Comunista

Sangue que se amassa entre as nuvens,
O criminoso, o sádico, o assassino,
Amanhã será esmagado em um ambiente limpo
Pela limpeza do Partido Comunista
Pela limpeza do Partido Comunista

Não quero que meu sangue flua fácil,
Sempre à primeira vista
Você não pode errar companheiro
Que meu amor é o Partido Comunista
Que meu amor é o Partido Comunista.






http://www.youtube.com/watch?v=QaIruQYEdro

O Navio Negreiro

I
Estamos em pleno mar... Doudo no espaço
Brinca o luar — dourada borboleta;
E as vagas após ele correm... cansam
Como turba de infantes inquieta.
Estamos em pleno mar... Do firmamento
Os astros saltam como espumas de ouro...
O mar em troca acende as ardentias,
— Constelações do líquido tesouro...
Estamos em pleno mar... Dois infinitos
Ali se estreitam num abraço insano,
Azuis, dourados, plácidos, sublimes...
Qual dos dous é o céu? qual o oceano?...
Estamos em pleno mar. . . Abrindo as velas
Ao quente arfar das virações marinhas,
Veleiro brigue corre à flor dos mares,
Como roçam na vaga as andorinhas...
Donde vem? onde vai? Das naus errantes
Quem sabe o rumo se é tão grande o espaço?
Neste saara os corcéis o pó levantam,
Galopam, voam, mas não deixam traço.
Bem feliz quem ali pode nesta hora
Sentir deste painel a majestade!
Embaixo — o mar em cima — o firmamento...
E no mar e no céu — a imensidade!
Oh! que doce harmonia traz-me a brisa!
Que música suave ao longe soa!
Meu Deus! como é sublime um canto ardente
Pelas vagas sem fim boiando à toa!
Homens do mar! ó rudes marinheiros,
Tostados pelo sol dos quatro mundos!
Crianças que a procela acalentara
No berço destes pélagos profundos!
Esperai! esperai! deixai que eu beba
Esta selvagem, livre poesia
Orquestra — é o mar, que ruge pela proa,
E o vento, que nas cordas assobia...
..........................................................
Por que foges assim, barco ligeiro?
Por que foges do pávido poeta?
Oh! quem me dera acompanhar-te a esteira
Que semelha no mar — doudo cometa!
Albatroz! Albatroz! águia do oceano,
Tu que dormes das nuvens entre as gazas,
Sacode as penas, Leviathan do espaço,
Albatroz! Albatroz! dá-me estas asas.

II

Que importa do nauta o berço,
Donde é filho, qual seu lar?
Ama a cadência do verso
Que lhe ensina o velho mar!
Cantai! que a morte é divina!
Resvala o brigue à bolina
Como golfinho veloz.
Presa ao mastro da mezena
Saudosa bandeira acena
As vagas que deixa após.
Do Espanhol as cantilenas
Requebradas de langor,
Lembram as moças morenas,
As andaluzas em flor!
Da Itália o filho indolente
Canta Veneza dormente,
— Terra de amor e traição,
Ou do golfo no regaço
Relembra os versos de Tasso,
Junto às lavas do vulcão!
O Inglês — marinheiro frio,
Que ao nascer no mar se achou,
(Porque a Inglaterra é um navio,
Que Deus na Mancha ancorou),
Rijo entoa pátrias glórias,
Lembrando, orgulhoso, histórias
De Nelson e de Aboukir.. .
O Francês — predestinado —
Canta os louros do passado
E os loureiros do porvir!
Os marinheiros Helenos,
Que a vaga jônia criou,
Belos piratas morenos
Do mar que Ulisses cortou,
Homens que Fídias talhara,
Vão cantando em noite clara
Versos que Homero gemeu ...
Nautas de todas as plagas,
Vós sabeis achar nas vagas
As melodias do céu! ...

III

Desce do espaço imenso, ó águia do oceano!
Desce mais ... inda mais... não pode olhar humano
Como o teu mergulhar no brigue voador!
Mas que vejo eu aí... Que quadro de amarguras!
É canto funeral! ... Que tétricas figuras! ...
Que cena infame e vil... Meu Deus! Meu Deus! Que horror!

IV

Era um sonho dantesco... o tombadilho
Que das luzernas avermelha o brilho.
Em sangue a se banhar.
Tinir de ferros... estalar de açoite...
Legiões de homens negros como a noite,
Horrendos a dançar...
Negras mulheres, suspendendo às tetas
Magras crianças, cujas bocas pretas
Rega o sangue das mães:
Outras moças, mas nuas e espantadas,
No turbilhão de espectros arrastadas,
Em ânsia e mágoa vãs!
E ri-se a orquestra irônica, estridente...
E da ronda fantástica a serpente
Faz doudas espirais ...
Se o velho arqueja, se no chão resvala,
Ouvem-se gritos... o chicote estala.
E voam mais e mais...
Presa nos elos de uma só cadeia,
A multidão faminta cambaleia,
E chora e dança ali!
Um de raiva delira, outro enlouquece,
Outro, que martírios embrutece,
Cantando, geme e ri!
No entanto o capitão manda a manobra,
E após fitando o céu que se desdobra,
Tão puro sobre o mar,
Diz do fumo entre os densos nevoeiros:
"Vibrai rijo o chicote, marinheiros!
Fazei-os mais dançar!..."
E ri-se a orquestra irônica, estridente. . .
E da ronda fantástica a serpente
Faz doudas espirais...
Qual um sonho dantesco as sombras voam!...
Gritos, ais, maldições, preces ressoam!
E ri-se Satanás!...

V

Senhor Deus dos desgraçados!
Dizei-me vós, Senhor Deus!
Se é loucura... se é verdade
Tanto horror perante os céus?!
Ó mar, por que não apagas
Com a esponja de tuas vagas
De teu manto este borrão?...
Astros! noites! tempestades!
Rolai das imensidades!
Varrei os mares, tufão!
Quem são estes desgraçados
Que não encontram em vós
Mais que o rir calmo da turba
Que excita a fúria do algoz?
Quem são? Se a estrela se cala,
Se a vaga à pressa resvala
Como um cúmplice fugaz,
Perante a noite confusa...
Dize-o tu, severa Musa,
Musa libérrima, audaz!...
São os filhos do deserto,
Onde a terra esposa a luz.
Onde vive em campo aberto
A tribo dos homens nus...
São os guerreiros ousados
Que com os tigres mosqueados
Combatem na solidão.
Ontem simples, fortes, bravos.
Hoje míseros escravos,
Sem luz, sem ar, sem razão. . .
São mulheres desgraçadas,
Como Agar o foi também.
Que sedentas, alquebradas,
De longe... bem longe vêm...
Trazendo com tíbios passos,
Filhos e algemas nos braços,
Na alma — lágrimas e fel...
Como Agar sofrendo tanto,
Que nem o leite de pranto
Têm que dar para Ismael.
Lá nas areias infindas,
Das palmeiras no país,
Nasceram crianças lindas,
Viveram moças gentis...
Passa um dia a caravana,
Quando a virgem na cabana
Cisma da noite nos véus ...
... Adeus, ó choça do monte,
... Adeus, palmeiras da fonte!...
... Adeus, amores... adeus!...
Depois, o areal extenso...
Depois, o oceano de pó.
Depois no horizonte imenso
Desertos... desertos só...
E a fome, o cansaço, a sede...
Ai! quanto infeliz que cede,
E cai pra não mais se erguer!...
Vaga um lugar na cadeia,
Mas o chacal sobre a areia
Acha um corpo que roer.
Ontem a Serra Leoa,
A guerra, a caça ao leão,
O sono dormido à toa
Sob as tendas da amplidão!
Hoje... o porão negro, fundo,
Infecto, apertado, imundo,
Tendo a peste por jaguar...
E o sono sempre cortado
Pelo arranco de um finado,
E o baque de um corpo ao mar...
Ontem plena liberdade,
A vontade por poder...
Hoje... cúmulo de maldade,
Nem são livres pra morrer. .
Prende-os a mesma corrente
— Férrea, lúgubre serpente —
Nas roscas da escravidão.
E assim zombando da morte,
Dança a lúgubre coorte
Ao som do açoute... Irrisão!...
Senhor Deus dos desgraçados!
Dizei-me vós, Senhor Deus,
Se eu deliro... ou se é verdade
Tanto horror perante os céus?!...
Ó mar, por que não apagas
Com a esponja de tuas vagas
Do teu manto este borrão?
Astros! noites! tempestades!
Rolai das imensidades!
Varrei os mares, tufão! ...

VI

Existe um povo que a bandeira empresta
Pra cobrir tanta infâmia e covardia!...
E deixa-a transformar-se nessa festa
Em manto impuro de bacante fria!...
Meu Deus! meu Deus! mas que bandeira é esta,
Que impudente na gávea tripudia?
Silêncio. Musa... chora, e chora tanto
Que o pavilhão se lave no teu pranto! ...
Auriverde pendão de minha terra,
Que a brisa do Brasil beija e balança,
Estandarte que a luz do sol encerra
E as promessas divinas da esperança...
Tu que, da liberdade após a guerra,
Foste hasteado dos heróis na lança
Antes te houvessem roto na batalha,
Que servires a um povo de mortalha!...
Fatalidade atroz que a mente esmaga!
Extingue nesta hora o brigue imundo
O trilho que Colombo abriu nas vagas,
Como um íris no pélago profundo!
Mas é infâmia demais! ... Da etérea plaga
Levantai-vos, heróis do Novo Mundo!
Andrada! arranca esse pendão dos ares!
Colombo! fecha a porta dos teus mares!


Castro Alves

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

O inicio

Sonho Impossível

Sonhar mais um sonho impossível.
Lutar quando é fácil ceder.
Vencer o inimigo invencível.
Negar quando a regra é vender.
Sofrer a tortura implacável.
Romper a incabível prisão.
Voar num limite improvável.
Tocar o inacessível chão.
É minha lei, é minha questão,
virar esse mundo, cravar esse chão.
Não me importa saber
se é terrível demais,
quantas guerras terei que vencer
por um pouco de paz.
E amanhã, se esse chão que eu beijei
for meu leito e perdão
vou saber que valeu delirar
e morrer de paixão.
E assim, seja lá como for
vai ter fim a infinita aflição
e o mundo vai ver uma flor
brotar do impossível chão.

Andrew Lloyd-Weber